Tuesday, February 23, 2016

Mala nossa de cada tour nós dai hoje...mais trabalho, suor e $$$

Tenho recebido algumas mensagens e hoje, excepcionalmente, foram três pessoas que me chamaram para conversar. Perguntaram se tinha algum problema, porque estavam copiando ou fazendo adaptações similares na mala deles.
Então aproveito o blog para responder: NÃO me importo de jeito maneira.
Muito pelo contrário, fico muito honrado. E tem gringos vendo minhas fotos e fazendo a mesma coisa. Todos me mandam as fotos e fico feliz que as dicas tenham ajudado. Na verdade, sinto uma ponta de orgulho porque se estão fazendo igual...é porque funciona e valoriza a ideia.
Tenho 2 malas iguais, o case reserva está na minha oficina e o titular comigo em casa. Além desses dois cases, tenho um outro mais simples que vocês devem ter visto na postagem anterior. Sempre faço alguma alteração ou melhoramentos. Tem coisa que só saberemos quando trabalhamos ao vivo - se serve ou se será útil ou não. E a quantidade de gente que tira fotos e se surpreende com a mala é excepcional. Já devo ter vendido direta e indiretamente, algumas dúzias dessa mala. E já ajudei uma baita legião de amigos nos dispositivos que compõe o case. Tudo isso me dá um prazer enorme porque é o que gosto de fazer - sem egoísmo e com o único intuito de tornar minha vida no backstage, mais fácil. E se isso também ajuda você, muito bom!
E para aqueles que usam uma mala similar e deixam tudo dentro de qualquer jeito - não tenho nada contra. Nem farei qualquer tipo de crítica negativa. Isso é algo muito pessoal. Cada um é cada um.
Qualquer dúvida é só me escrever ou me chamar. E novamente, podem copiar e adaptar. Mande as fotos!

Wednesday, December 9, 2015

Guitartech Workstation 3

Faz algum tempo. Talvez coisa de um ano, ou um pouco mais. Hoje em dia, não tem tanta importância. Será? Mas será mesmo? Sim, quando conseguimos deixar resolvido, parece que a caminhada foi longa, mas o que importa é que resolveu.
Coloquei algumas postagens e mesmo aqui no no blog, não obtive a resposta de ninguém. Nem no Facebook e nem no Twitter...Enfim, eu apenas queria um case novo para colocar minhas ferramentas, similar ao workstation que eu fiz, mas com outras medidas. Aquele primeiro foi bastante significativo - porque não encontrei nenhuma empresa que quisesse fazer. Então, fiz eu mesmo. E aprendi um bocado com ele. Mas durou muito pouco.
Mudei para os cases de polipropileno (estilo Nanuk e Pelican) e estou 777% satisfeito com eles. Fiz as adaptações - que vocês acompanharam neste blog e nas postagens de gigs e shows no Facebook. Tenho 3 cases: o principal, um reserva (idêntico ao primeiro e com as mesmas guarnições e recheio) e o último que uso para pedaleiras, viagens e como mala de produção.
Mas continuei querendo um case típico para guitartech, similar ao meu antigo. E logicamente, nenhuma empresa queria fazê-lo...Sim, algo tão simples, mas ...bom...xápralá...
Então, descobri a Dantas Handmade, numa postagem do meu amigo Ivan Freitas, dono da Music Maker, no Facebook. Entrei em contato e o papo foi reto e rápido: case assim, case assado, medida tal, acabamento blá blá blá e etc. Os caras toparam sem hesitar, acrescentaram idéias e sugestões criativas. Me deram um prazo bastante razoável para os padrões - levando em conta que foi um projeto diferente e pioneiro. E com pedido fechado, entrei no árduo período de espera.
Segue agora as fotos e as explicações:
medidas 40 x 40 x 14 (espessura total). Ou seja, 7 centímetros para cada metade. 
Acessórios: cantoneiras, fechos com aberturas para cadeados, alça de transporte, dobradiças, etc...tudo da melhor qualidade.
E o logotipo que mandei, eles fizeram a gentileza de personalizar!
Na foto acima, o case aberto. Pedi a Dantas que deixassem a metade da direita no jeito correto -  como são os workstation gringos. Mas decidi que a abertura inicie na frente do técnico e não nas laterais. Desta forma, a visualização é ótima.
E a metade esquerda pedi para que deixasse apenas forrada com tecido - porque "obviamente", o referido lado - eu queria manipular do meu jeito. Isso tem muito a ver com a disposição e os tipos de ferramentas que utiliza. Se o case vem pronto, você se adapta as medidas já definidas. Mas se tem a possibilidade de customizar, no meu caso, é bem melhor.
 Primeiro, a colocação do apoiador de braço. Sistema similar de todas as minhas malas - encaixe de duas peças. E aproveitei para deixar estilizado com a bandeira de guerra japa e uma ilustração tema do filme Shadow Train - concebido pelo Big Boss George Lynch:
Aqui acima, um close mais de perto das duas peças.
 Início da implementação das gavetas fixas da parte esquerda. As ripas laterais são apenas para calcular a altura da tampa. Não as utilizei no design definitivo.
 Aqui na foto superior, o sistema todo montado.
E na foto acima, as traquitanas para fazer a gaveta
 Lógico que tem que usar máquinas
 Lógico que tem que deixar tudo reto e na medida.
Escolhi pranchas de eucalipto para divisórias e para a tampa usei eucatex
A tampa com as dobradiças (usei essas porque eram sobras). Se dependesse do Dantas, seriam Penn Elcon - que é o que tem de melhor no mercado.
E aproveito pra dizer que...se também dependesse do Dantas, eles teriam feito a metade esquerda com mais qualidade. Eu que pedi deste jeito porque queria manipular e fazer do meu jeito. Mas se você já sabe as medidas, eles farão com certeza!
 Tampa instalada e não abre pelos lados, abre de frente para mim. Diferente dos cases gringos.
 Não passei colorgin preto na parte interna da tampa, deixei assim mesmo na cor do material
A tampa fechada e devidamente pintada com colorgin preto. Para a tampa travar, basta colocar velcro adesivo na divisória interna e na própria tampa. 
Estrutura da outra gaveta - a que fica perto de mim e com dimensões menores. O espaço que sobrou, calculei para que o afinador ficasse fixado com velcro mas exposto e fora dessa gaveta.
Na foto acima, a gaveta aberta e o afinador do lado de fora e fixado com velcro. Resolvi deixar o BOSS TU-2 de fora porque é mais prático. Abriu o case, ele está lá!
Visão geral do case. A tampa da direita abre com início na minha direção. A tampa da gaveta esquerda menor abre para o lado - mas para fora do case. E a tampa da gaveta esquerda maior abre de forma similar a tampa do compartimento da direita.
Na foto abaixo, como são as aberturas dos cases gringos:
Eu particularmente, não curto essas tampas abrindo nessas direções.
E na foto abaixo, o case finalizado. Um detalhe: a tampa da gaveta menor esquerda era do meu case antigo. Isso mesmo, o DNA do meu velho workstation de guerra foi colocado como recordação!
Em breve colocarei mais fotos. E lógico...muitos me perguntarão: mas pra que tanto case?
Eu tenho 2 malas bem legais que suprem minhas necessidades. Este novo case não é apenas por capricho. Dependendo do tipo de trabalho, posso escolher levá lo.
Ou seja, lá em cima na primeira foto da minha mala principal, têm muitas ferramentas e aparelhos fixados na tampa certo? Tudo isso e terei no lado esquerdo do case novo. Não precisarei retirar da mala principal. Já as caixas organizadoras da mala principal, eu retiro (são 2) e coloco na parte direita do meu case novo. E ainda sobra lugar para baquetas e uma parafusadeira.
Simples não? Prático não? 
Bom, desculpem a postagem longa. E antes de encerrar, quero agradecer a Dantas Handmade, pela nova parceria. Agradeço por acreditarem no meu projeto e por não terem receio ou qualquer empecilho em me atender. Tudo impecável e bem executado. Eu recomendo. Acho que foi o primeiro guitartech workstation da empresa e torço para que seja o primeiro de muitos.
Falem com o João Paulo!
No Facebook: Dantas Handmade
contato@casesdantas.com.br
www.dantashandmade.com.br
Tel.: (021) 3291 8258

Ahhh sim!!! logo logo, colocarei LEDs no case e umas firulinhas (postarei fotos em breve). 
Sobre custo, cada projeto é diferenciado. Mas garanto a vocês que o preço é extremamente convidativo. Sobre os prazos, tudo certinho! Atendimento é excelente!


Monday, November 23, 2015

captador Guitar Player modelo Henry Ho


TEXTO ANUNCIO DA REVISTA GUITAR PLAYER
Os Pickups com a griffe Guitar Player foram criados para celebrar os 20 anos da Guitar Player Brasil, e são um produto "premium" fabricado com matérias primas importadas e selecionadas, pela Malagoli, empresa pioneira com 50 anos de tradição na fabricação de captadores em nosso país, de acordo com especificações fornecidas pelos dois maiores "gurus" da GP quando o assunto é luthieria e guitarras: Henry Ho e Jaques Molina. A versão Henry Ho é a mais "zen" das duas. Saída encorpada e generosa, com agudos refinados e graves parrudos. Um timbre ao mesmo tempo clássico e moderno! Além de possuir um timbre de humbucking bem energético, ele é perfeito para utilização em modo "split-coil", onde fornece um timbre convincente de single, graças sobretudo ao imã de alnico. Agressivo na medida exata, porém refinado o bastante para fazer bonito em blues ou classic rock!

 Especificações: Posição: Ponte • Condutores: 4 • Polos: Reguláveis (parafusos do tipo fenda) • Espaçamento: 52 mm • Parafinagem: Sim • Ímã: Alnico 8 • Resistência :15K (ohms) • Timbre: Graves parrudos, médios e agudos doces • Indicações: Classic rock, hard rock, heavy metal • Ganho: Alto • Graves: 6 • Médios 4 • Agudos: 9 • Pico de ressonância: 5,70kHz • Saída: 365mV

links de venda:https://www.editoramelody.com.br/gp/index.php?area=loja&id=178

Wednesday, October 14, 2015

Mini Holder

Voces devem se lembrar daquela ferramenta que fiz...tipo um holder para facilitar a soldagem de cabos e componentes de maneira geral. É quase que uma terceira mão. E um dispositivo bem simples: um pedaço de madeira, 2 prendedores de roupa, uma alça de trena - que serve de suporte para o ferro de solda.
 Aqui na foto abaixo, o ferro de solda apoiado na alça da trena - a alça que normalmente fixamos no cinto da calça.
Por causa do espaço apertado da mala de ferramentas, resolvi abolir o holder (que agora só fica na minha oficina)...e fiz um mini holder. 
Muito simples de fazer: um pedaço de madeira pequeno ( 8 cm x 4 cm), 2 mini prendedores binder clips, 2 arruelas e 2 parafusos.
 No meu, fiz uma "firulinha" revestindo o pedaço de MDF (12 mm) com um pedaço de acrílico e colocando velcro adesivo na parte inferior.
 Ficou compacto e agora ocupa menos espaço. E funciona bem! Quanto ao ferro de solda, estou utilizando um da marca Dremel que possui uma base de apoio.

Monday, September 14, 2015

Um minutinho...

Quantas vezes escutamos essa expressão: um minutinho! Ou: apenas um minuto! E o que pode significar algo como: espere um pouco que já estou indo...É quase sinônimo de coisa negativa, por exemplo - alguém parado numa vaga de deficiente ou idoso sem ser absolutamente inserido nessas condições. E se justificando com a referida expressão do minuto.
Neste fim de semana, tive o meu minuto. Mas não foi um minuto de descrédito ou demérito. Foi um minuto de uma estranha sincronia. Um minuto final de um longo tempo de trabalho. Um minuto de respiração. Um minuto de alívio.
Fiz a direção de palco de um evento de fogos de artifícios. Uma comemoração dos 120 anos de amizade, Brasil/Japão, no autódromo de Interlagos. Cuidei do palco onde tivemos teatro, grupos de taikô, duas bandas japonesas (Oreskaband e Kao=S), Wadaiko, Família Lima e os fogos no final. Como sabem, os fogos de artifícios são disparados automaticamente. Os horários são rígidos e o cronograma de atrações tinha que ser respeitado a risca! É o tipo de evento que não pode adiantar, muito menos, atrasar....E decorrente das chuvas dos dias anteriores, atrasamos muito. Os problemas de estrutura nos prejudicaram no dia principal. Foi um dia de tensão e muita pressão.
O disparo foi confirmado para as 20:10 hs. Eu tinha que terminar entre 20:00 hs e 20:05 hs. O último show da noite, da Família Lima, terminou as 20:09 hs. Sim, um minutinho antes.
Até agora, a ficha continua caindo...
Um dia todo de caos, que ironicamente, conheci uma das bandas mais legais da terra do sol nascente: Kao=S. Jamais esquecerei esse dia, jamais esquecerei esse minuto.

Wednesday, May 27, 2015

new old case update

Novo update da mala da Patola, agora com nova configuração e novo afinador Pitchblack Pro (dica do Vitão - que é superguitartech do Angra e de outras bandas renomadas).
Aproveitei para corrigir uns lances da tampa e fazer uma arrumação mais prática dentro da mala.
Por dentro, o layout continua o mesmo, mas as coisas soltas - agora, estão fixas com velcro dentro da mala. Ou seja, tiro a caixa multicoisas e os avulsos não despencam mais!
 Essas caixas multicoisas são boas e foi a solução ideal para o pouco espaço.
Layout da tampa com os apetrechos mais utilizados. O afinador novo de rack (Picthblack Pro) e o Polytune também configurado para contrabaixo.
Nessa configuração nova, as chaves allen e algumas outras coisas estão dentro dessas bolsas plásticas que evitam o acesso indevido...(antes as chaves estavam a mostra)...pois é, acabam pegando e NÃO me devolvendo!
Espero que tenham curtido essa penteadeira de puta (definição de muitos)...sim, sim, sim. Está bem GLAM, esse visual, mas eu curti.

Tuesday, May 12, 2015

A coisa está difícil....

Alguma empresa SÉRIA que fabrica cases, que:
- responde emails?
- fabricaria um case customizado, com as medidas que quero?
- atenderia num prazo máximo de 3 semanas ? ( o case é do tamanho da metade de um case de guitarra).

Mandei email, mensagens e telefonei - para 8 empresas e depois de 5 dias, nenhuma respondeu.
Alguém conhece alguma empresa SÉRIA, que toparia fazer o serviço?  Em troca eu:

- pago a vista,
- faço o depósito 100% valor no pedido
- pago o frete
- recomendarei aos amigos
- prometo que não farei proposta de parceria
- não pedirei desconto

Algumas outras empresas, nem contatei pq em ocasiões anteriores, não cumpriram com o prometido...ou nem se deram ao trabalho de me responder tbém!

Obrigado!